Estratégias internas, formadas por capacidades de criação, retenção e disseminação de conhecimentos, são importantes para a geração de resultados.

A partir dessas capacidades, organizações podem tratar incertezas e turbulências, desenvolver novas soluções e transferir tecnologias. A abordagem externa, baseadas em processo inbound de inovação aberta, não pode ser considerada efetiva. É necessário que esse processo seja combinado à capacidade de criação interna de conhecimento para que empresas possam tratar turbulências e incertezas ao longo do processo de desenvolvimento de novas soluções. Adicionalmente, a combinação entre inbound e capacidades internas, especialmente de retenção e compartilhamento de conhecimento, se mostra relevante para promover nas empresas capacidade de transferência externa de tecnologias, via processo outbound de inovação aberta.

Essas são as conclusões da tese de doutorado de Adriano Tonelli, com pesquisa “Inovação Aberta e Gestão do Conhecimento: como as empresas alcançam resultados de inovação”, do Programa de Pós-Graduação em Adminsitração (PPGA), na Universidade Federal de Lavras (UFLA).

Tonelli utilizou 228 casos de empresas de software como amostra, a maioria composta por microempresas e empresas de pequeno porte: 83 microempresas (36,4%), 82 empresas de pequeno porte (36%), 28 empresas de médio porte (12,3%) e 35 empresas de grande porte (15,4%). A média de idade das empresas analisadas é de 15 anos. O autor avaliou como estratégias internas, formadas por capacidades de gestão do conhecimento (GC), externas, formadas por processos de inovação aberta, e híbridas, decorrentes de combinações entre GC e inovação aberta, impactam nos resultados de inovação e na transferência externa de tecnologias em organizações do setor de software.

Adriano Tonelli foi orientado pelo professor Paulo Bermejo, coordenador do Núcleo de P&D para Excelência e Transformação do Setor Público (NEXT) da Universidade de Brasília (UnB). O aluno obteve o título de doutor. A pesquisa é parte integrante de projeto financiado pelo CNPQ, sob o título O Impacto da Inovação Aberta Outbound no desempenho de Organizações Brasileiras.